WPP Inclusion Champions

Defensores da inclusão: Jacqui Canney e Tripti Lochan

A magia da força de trabalho multicultural, multigeracional e multifacetada

Show this article in Chinese, English, French, Spanish

Para coincidir com a reunião do novo Conselho de Inclusão global da WPP em setembro e com a Semana Nacional de Inclusão em todo o Reino Unido, a WPP está reunindo 12 agentes de mudança provenientes de toda a rede. Esses indivíduos estão promovendo conversas fundamentais sobre inclusão e diversidade e fazendo avançar a agenda de toda a indústria. Em seis conversas, eles discutem ações, iniciativas e o poder da publicidade e do marketing para criar mudanças em toda a sociedade.

Jacqui Canney, Diretora-Executiva Global de Gestão de Pessoas da WPP, e Tripti Lochan, co-CEO da VMLY&R Asia, discutem a importância de um pipeline de talentos diversificado e a vantagem competitiva de uma empresa multigeracional e multiexperiente.

Jacqui Canney, Diretora-Executiva Global de Gestão de Pessoas da WPP: Inclusão e diversidade é algo que tem sido importante para o nosso CEO, Mark Read, desde que o conheci. Por isso, não é subitamente uma nova área de foco para mim, mas os tempos e o clima atual aceleraram o ritmo com que precisamos progredir. A estratégia foi construída para impulsionar resultados que fazem com que todos os nossos funcionários – mais de 100.000 – sintam que estão incluídos e que temos uma organização diversificada. Ela é composta por pessoas em mais de 100 países e, por isso, também entende que a inclusão e a diversidade significam coisas um pouco diferentes para pessoas diferentes. Fundamentalmente, o que eu acredito é que, se pudermos ter uma organização inclusiva, isso significa que, qualquer que seja a sua etnia, qualquer que seja o seu gênero, qualquer que seja a sua autenticidade, precisamos criar um ambiente onde as pessoas possam se sentir como se pudessem vir trabalhar e ser elas mesmas.

Recentemente, instituímos diversas listas de entrevistas. Isso significa que quando você está contratando ou procurando preencher um trabalho em sua equipe, como líder de equipe, você precisa obter uma lista de pessoas que sejam diversas. Isso deve ampliar, assim se espera, a oportunidade para as pessoas (que talvez você não soubesse que estavam na lista) usufruírem de uma chance justa no trabalho. Para equilibrar as coisas, eu diria que um processo melhor é que estamos pedindo que os entrevistadores também sejam diversos, de modo que se, por exemplo, eu estiver entrevistando ou você estiver entrevistando para um emprego, não nos depararemos apenas com homens. Queremos conhecer pessoas que se pareçam conosco e ser capazes de ver um potencial modelo a seguir nessa equipe.

Tripti Lochan, co-CEO da VMLY&R Ásia: Entendo perfeitamente as sutilezas que você menciona. Cada país da Ásia tem a sua própria versão da luta que as minorias enfrentam. Por causa disso, iniciamos uma iniciativa chamada "Perguntas Corajosas, Espaços Seguros", que é um trampolim para que os escritórios da VMLY&R em toda a Ásia compartilhem, aprendam, apoiem e entendam melhor as lutas uns dos outros, descubram como podemos frequentar melhor o local de trabalho e causar um impacto real no mundo.

Acho que as diversas listas de entrevistas são uma ótima ideia e também acho que precisamos ter certeza de que os maiores outdoors que temos de nossa cultura como organização são nossos funcionários. Se tratarmos a diversidade com respeito em nossos próprios ambientes de trabalho, isso é a primeira coisa que acontece. Ninguém se junta a uma organização sem fazer algum tipo de checagem de referência, falar com o amigo do seu amigo ou ir às mídias sociais. Então, respeitar nossos funcionários e suas escolhas é a primeira coisa que fazemos.

Além disso, algo em que estamos trabalhando com o RH em nossa própria organização é definir metas em torno dos índices de diversidade. Já fazemos isso em termos de gênero, para garantir que haja uma porcentagem de mulheres em todos os níveis. Isso precisa ir mais longe e começar a pensar além da diversidade de gênero.

Acho que precisamos ter certeza de que os maiores outdoors que temos de nossa cultura como organização são nossos funcionários. Se tratarmos a diversidade com respeito em nossos próprios ambientes de trabalho, isso é a primeira coisa que acontece.

JC: Outra lição valiosa que aprendemos neste verão surgiu porque íamos cancelar nossos programas de estagiários (devido à COVID-19). Normalmente, uma turma de cerca de 300 alunos, em uma série de estágios em sua carreira acadêmica, se juntaria a nós pessoalmente durante todo o verão. Em vez de cancelar tudo isso, trabalhamos rapidamente para pensar sobre o que poderíamos fazer promovendo uma experiência online.

Então, criamos uma série virtual chamada programa Líderes da Nova Geração. Achamos que serviria para umas 300 pessoas, talvez. Acabou sendo quase 900 pessoas. Hospedamos conteúdo ao longo de 10 semanas com temas-chave da indústria a cada semana. Tivemos clientes. Tivemos acadêmicos. Tivemos nossos melhores amigos aqui na WPP falando sobre como é ter sua própria marca e como é ser um contador de histórias. Mark Read começou com uma sessão "sob o capô" da WPP.

Esta resposta à série virtual tem sido esmagadoramente positiva. E também foi esmagadoramente diversa em seus alunos. Das quase 900 pessoas que participaram, 55% eram pessoas de cor e 71% eram mulheres. As pessoas que participaram vinham de aproximadamente 35 países e 300 universidades, mas o que isso me transmitiu é que podemos atrair uma turma muito diversificada, se formos criativos. Agora, é nosso trabalho pensar sobre como podemos fazer disso um programa contínuo e mantermos contato com todas as pessoas que agora sabem mais sobre a WPP.

Ter um pipeline para diversos talentos é muito importante. Nosso trabalho é, no fundo, criatividade habilitada por tecnologia, então precisamos trazer uma equipe inclusiva com diversas pessoas para os clientes que estão olhando para nós a fim de ajudá-los a resolver problemas, seja para novas marcas, marcas que precisam renascer, novos produtos ou criar produtos mais inclusivos e diversificados, pois seus clientes também estão exigindo isso. É como uma cadeia de suprimentos com a qual precisamos estar realmente envolvidos, mas que também podemos liderar. Alguns desses clientes estão procurando nossa orientação para ajudá-los a liderar, para que possam abordar seus clientes de uma maneira melhor.

TL: Com certeza. Ter pontos de vista mais ou mais diversos é sempre uma vantagem. No caso de nossa força de trabalho multigeracional e multifacetada, acho que são os diferentes conjuntos de habilidades que cada pessoa coloca sobre a mesa, que depois se juntam para criar o melhor trabalho para nossos clientes. Em um discurso recente, por exemplo, um dos membros da nossa equipe, em virtude das plataformas em que eles vivem todos os dias, teve a ideia mais incrível. Dito isso, foi preciso alguém com um pouco mais de experiência para concretizar essa ideia, para torná-la uma experiência de marca mais abrangente, uma campanha verdadeiramente integrada de 360 graus.

Então, é mais do que multigeracional, está realmente relacionado à experiência, e acho que esse termo é um substituto para a experiência. Tem mais a ver com a experiência, as ideias e a bravura que você coloca sobre a mesa. Você não precisa ter todos esses elementos marcados, mas, se tiver dois, você está em uma posição muito, muito boa para causar um forte impacto.

Quando vemos alguém que está aqui há, digamos, mais de 20 anos, e na indústria há tanto tempo, emparelhado com a Nova Geração, que foi o que conseguimos ver neste verão, simplesmente acende. É eletricidade.

JC: Quando você olha para as empresas que compõem a WPP, há alguns nomes realmente proeminentes e importantes em publicidade, marketing e mídia. Se não tivéssemos a oportunidade de contar com as vozes das pessoas que construíram esta indústria, e ainda termos uma influência nesta indústria, acho que estaríamos deixando passar uma oportunidade.

Há muita sabedoria. Quando vemos alguém que está aqui há, digamos, mais de 20 anos, e na indústria há tanto tempo, emparelhado com a Nova Geração, que foi o que conseguimos ver neste verão, simplesmente acende. É eletricidade. Acho que essa é a magia. Não se trata apenas de raça e gênero, trata-se de várias gerações e experiências serem capazes de se unir e criar as melhores ideias. Mark [Read] fala sobre a transformação criativa como o que somos como empresa. Para mim, essa é absolutamente a oportunidade diante de nós. É a humanidade. É o poder cerebral de mais de cem mil pessoas de todas as idades, etnias e países se unindo e, em seguida, alimentadas com tecnologia.

Você poderia falar sobre inclusão e diversidade como um imperativo moral, pois é absolutamente a coisa certa a ser feita, mas há um imperativo econômico para esses clientes fazerem isso direito também. Se você pode ser um cliente que não gosta da maneira como ele vê um anúncio, ele pode ir comprar outra coisa potencialmente muito semelhante de outra empresa, mas que se mostra de uma maneira diferente. Eu acho que as gerações continuam a impulsionar isso - é assim que as empresas se mostram, e também como nos mostramos.

Read more from our Inclusion Champions in conversation series

published on

01 October 2020

Related Topics

Inclusion & diversity Workplaces
Close message

Privacy Policy

We have updated our Privacy Notice for this website. Please review our Privacy Policy.

Go to Privacy Policy