WPP Inclusion Champions

Defensores da inclusão: Demet İkiler e Aisling Ryan

Por que a inclusão é boa para os negócios?

Show this article in Chinese, English, French, Spanish

Para coincidir com a reunião do novo Conselho de Inclusão global da WPP em setembro e com a Semana Nacional de Inclusão em todo o Reino Unido, a WPP está reunindo 12 agentes de mudança provenientes de toda a rede. Esses indivíduos estão promovendo conversas fundamentais sobre inclusão e diversidade e fazendo avançar a agenda de toda a indústria. Em seis conversas, eles discutem ações, iniciativas e o poder da publicidade e do marketing para criar mudanças em toda a sociedade.

Demet İkiler, CEO do GroupM EMEA e Gerente Nacional da WPP na Turquia, conversa com Aisling Ryan, Sócio-Gerente da WPP / Ogilvy Consulting's The Corporate Practice, sobre aliança, seu trabalho de igualdade de gênero com as Nações Unidas e por que a inclusão é boa para os negócios.

Demet İkiler, CEO do GroupM EMEA e Gerente Nacional da WPP na Turquia: Tive muitos desafios, porque ao longo da minha carreira sempre desenvolvi algo desde os estágios iniciais. O primeiro Mindshare na Turquia, o primeiro GroupM na Turquia, o primeiro Gerente Nacional da WPP na Turquia. Mas além disso, a Turquia tem sido provavelmente o maior desafio em si como país, pois se você levar em conta os últimos 20 anos eles parecem uma montanha-russa. Houve uma crise financeira, um grande terremoto, ataques terroristas – ocorreu um grande desastre a cada dois anos. Então estamos sempre lidando com ambiguidades e incertezas. Fora ter um plano B e se preparar para responder, dependendo de como as coisas acontecem – isso me proporcionou uma resiliência que é realmente útil hoje.

Eu também era uma jovem mãe quando aceitei meu emprego na Mindshare. Eu tinha um bebê em casa e um bebê no trabalho. Então esse foi um grande desafio. Crescemos todos juntos – meu filho, eu mesma, a empresa.

Foi essa experiência que me levou a tentar ajudar outras mulheres que estão passando pelas mesmas fases em suas vidas. Comecei a orientar, treinar pessoalmente e agora, com a GroupM – é uma das únicas empresas do setor de comunicação do país que assinou o compromisso de igualdade de gênero proposto pelo governo.

Na Turquia, com a WPP, agora estamos trabalhando com o Pacto Global das Nações Unidas (UNGC), a plataforma de negócios das Nações Unidas. Eu sou Vice-Presidente do UNGC, e estou liderando o capítulo de diversidade e inclusão do UNGC.

Aisling Ryan, Sócio-gerente, The Corporate Practice, WPP / Ogilvy Consulting: Surpreendente. Também é algo que me apaixona muito. Trabalhei para a Kantar e a WPP para montar o primeiro estudo atitudinal de gênero em nível mundial para a Aliança Antiestereótipos (Unstereotype Alliance) da ONU Mulheres (UN Woman) e isso acabou de ser lançado novamente. Acho que isso foi muito importante porque é um estudo global que realmente monitora atitudes e comportamentos e constata essa mudança.

Eu acho que uma vez que uma equipe de liderança esteja comprometida em mudar as coisas, em enxergar as coisas através de perspectivas diferentes, e uma vez que esta equipe de liderança esteja aberta a abraçar as pessoas para que elas sintam que fazem parte do processo, então a conversa em torno da inclusividade nunca terminará. Sinto que é exatamente isso o que está acontecendo na WPP e na GroupM.

Também estive envolvido na criação de práticas relativamente novas de diversidade e inclusão na WPP. Estamos animados para trabalhar com Monique Nelson e Doug Freeman da UWG, e vários outros colegas, como Shelina Janmohamed, para organizar isso e avaliar como podemos trabalhar com clientes corporativos e com marcas. Não só para promover a diversidade e a inclusão por ser o procedimento mais justo, o que obviamente é, mas como Monique diria, esse tem sido o procedimento mais justo por 40 anos e ainda não produziu mudanças. Estamos também tentando avaliar como você pode desenvolver verdadeiramente o que chamamos de diversidade de cinco pontos. Passar do compliance e da diversidade equitativa, no que diz respeito ao local e a força de trabalho, para o modo que isso informa o mercado, como isso informa a inovação, como isso informa todo o modelo de negócio, para que se torne parte integrante de todos os negócios e da vida em geral. Sinto-me muito privilegiado por trabalhar com esses parceiros.

Dİ: É muito importante ter ótimos parceiros e pessoas com quem compartilhar e colaborar nesses projetos. A primeira reunião que tive na minha nova função na EMEA, com todos os diferentes mercados que ela engloba, foi sobre o que podemos fazer para ajudar no alívio do coronavírus. Começamos a fazer essas chamadas com todos os líderes dos países da EMEA para discutir as iniciativas específicas em diferentes mercados. Estamos aprendendo uns com os outros, pois há muitas nuances entre países e mercados.

Criamos iniciativas como o programa de mentoria reversa, a Ponte (the Bridge). Dentro disso, começamos a falar sobre as principais áreas de inclusão. Eu mesmo sou um mentorado e, apesar de ser alguém que está muito envolvido em iniciativas de inclusão e diversidade, estou aprendendo mais sobre os desafios da vida diária, desafios históricos e os desafios estruturais/institucionais.

Além disso, outra iniciativa fundamental na qual estamos envolvidos e da qual me orgulho é a Convenção de Istambul. O compromisso, que visa prevenir a violência contra as mulheres, foi lançado na Turquia em 2011. A violência contra as mulheres na Turquia é realmente uma questão séria. No ano passado, quase 500 mulheres foram mortas. O feminicídio é assustadoramente alto. Como WPP na Turquia nos levantamos contra isso, contando com a participação de todos os nossos líderes. A campanha foi reconhecida globalmente com pessoas postando, em apoio, fotos em preto e branco.

Eu acho que uma vez que uma equipe de liderança esteja comprometida em mudar as coisas, em enxergar as coisas através de perspectivas diferentes, e uma vez que esta equipe de liderança esteja aberta a abraçar as pessoas para que elas sintam que fazem parte do processo, então a conversa em torno da inclusividade nunca terminará. Sinto que é exatamente isso o que está acontecendo na WPP e na GroupM.

AR: Com certeza. Eu acho que, como tudo, você tem líderes e retardatários e tudo o mais, e algumas marcas e empresas estão genuinamente inclinadas para isso. Alguns deles têm sido mais corajosos, outros têm sido menos corajosos, mas eu acho que, em última análise, estamos passando para um novo modelo neste mundo, onde costumava ser causa versus comercialidade, e precisamos inventar um novo modelo que realmente una causa e comercialidade.

Uma das minhas citações favoritas é: "Um princípio só é um princípio quando lhe custa algo". Acho que hoje isso vale realmente para marcas e corporações. É preciso ter um ponto de vista e é preciso estar preparado para que isso lhe custe algo. É preciso conviver com isso e acho que os consumidores estão exigindo que isso aconteça.

Além disso, se você estiver olhando para os investidores, eles estão procurando empresas que tenham fortes fatores ESG (ambientais, sociais e de governança) e desempenho sólido. Na verdade, notamos que as empresas com sólido desempenho ESG se superaram no período de COVID-19 em comparação às empresas com fatores ESG mais baixos. Isto é fundamental para o sucesso dos negócios. Assim, os investidores estão desinvestindo em empresas que não têm esses fatores fortes e os consumidores estão votando com a carteira para não comprar dessas empresas.

Dİ: Existem campanhas que você considera particularmente interessantes e que abordam temas de inclusão?

AR: Eu gosto da campanha que a VMLY&R acabou de fazer chamada Reclaim Her Name, que foi para Baileys e o Women's Prize for Fiction. Ela visa recuperar os nomes das mulheres que tiveram que escrever sob um pseudônimo. E pensamos nisso como uma questão antiquada, mas na verdade ainda é um problema para as mulheres que escrevem hoje, pois elas são praticamente discriminadas por serem escritoras.

Dİ: Gosto muito das campanhas em que os estereótipos são desafiados de frente - por exemplo, a campanha da Gillette "O Melhor que os Homens Podem Ser" – particularmente quando está desafiando o conceito de masculinidade. Eu acho muito importante que os homens sejam incluídos em conversas sobre estereótipos de gênero e gênero e mais amplamente nos diálogos sobre inclusão.

A aliança não é tão importante no que tange as minorias, mas é importante quanto a mudar as perspectivas de todos e depois ajudar as pessoas a entender como elas podem contribuir.

Como você acha que as empresas podem envolver os homens mais ou melhor como aliados a fim de alcançar a igualdade de gênero?

AR: Bem, acho que eles têm que reconhecer e lidar com a prevalência do privilégio masculino. Todos nós já conhecemos maravilhosos defensores do sexo masculino em nossa carreira, mas muitas mulheres dizem ter presenciado homens conversando sobre elas em reuniões, ou sendo excessivamente dominantes nessas reuniões – esses tipos de comportamentos inconscientes que são realmente muito prejudiciais, denotando um sexismo ou bloqueio mais evidente.

Então eu ainda acho que há trabalho a ser feito na educação dos homens para se autoavaliarem quanto a estarem realmente defendendo as mulheres e efetivamente examinando alguns de seus preconceitos e comportamentos inconscientes, para averiguar se eles estão sendo aliados ou não.

Mas eu acredito piamente que os homens são fundamentais para criar essa mudança, porque essencialmente são as atitudes dos homens que têm impedido as mulheres. Se não pudermos mudar as atitudes dos homens, como iremos progredir?

Temos a capacidade... de ser inventivos, perspicazes, criativos na forma como enfrentamos os maiores desafios do mundo.

Dİ: Vejo isso como nosso desafio diário e na verdade está alinhado com o posicionamento de transformação criativa da WPP. Acho que tudo o que fazemos faz parte dessa transformação por causa da tecnologia, por causa do nosso desenvolvimento no negócio em que estamos. Tudo se resume à colocação de lentes diferentes, à visualização de imagens de ângulos diferentes e, em seguida, e depois ter as ideias que poderiam ajudá-lo a fazer as coisas de forma diferente. Isto é o que a WPP tem o compromisso de fazer, e estamos comprometidos com a mesma coisa.

AR: Sinto muito paixão pela transformação criativa. Isso significa usar nossas habilidades coletivas para criar o salto que pode realmente acelerar o impacto positivo para as pessoas, para o lucro, para as empresas e para o planeta. Isso deve significar a reinvenção do crescimento para esta nova ordem mundial, mais progressista. Um mundo justo, mais inclusivo e mais sustentável. Acho que temos o poder de usar essas habilidades para transformar criativamente não apenas marcas e empresas, mas a sociedade em que vivemos e o mundo que deixamos para trás. Como podemos usar nossas habilidades de forma muito mais ampla para trabalhar com governos e ONGs, para trabalhar de forma mais ampla e acelerar um impacto positivo?

Acredito que a WPP tem mais esse poder do que um consultor de gestão, porque acredito que podemos dar esse salto lateral. Temos capacidade de fazer isso, de sermos criativos, de sermos perspicazes, de sermos criativos no modo como enfrentamos os maiores desafios do mundo.

Read more from our Inclusion Champions in conversation series

published on

29 September 2020

Related Topics

Inclusion & diversity Workplaces
Close message

Privacy Policy

We have updated our Privacy Notice for this website. Please review our Privacy Policy.

Go to Privacy Policy