WPP Inclusion Champions

Defensores da inclusão: Amy Walker e Christine Benton

O poder transformador de uma força de trabalho neurodiversa

Show this article in Chinese, English, French, Spanish

Para coincidir com a reunião do novo Conselho de Inclusão global da WPP em setembro e com a Semana Nacional de Inclusão em todo o Reino Unido, a WPP está reunindo 12 agentes de mudança provenientes de toda a rede. Esses indivíduos estão promovendo conversas fundamentais sobre inclusão e diversidade e fazendo avançar a agenda de toda a indústria. Em seis conversas, eles discutem ações, iniciativas e o poder da publicidade e do marketing para criar mudanças em toda a sociedade.

Amy Walker, Coordenadora de Diversidade e Inclusão da GroupM UK, e Christine Benton, Vice-presidente Executiva, e Patrocinadora Executiva do Capable Employee Resource Group da BCW, América do Norte, discutem o poder transformador de uma força de trabalho neurodiversa e a importância de criar espaços seguros para que as pessoas deem seu melhor no trabalho.

Amy Walker, Coordenadora de Diversidade e Inclusão da GroupM UK: Eu definitivamente me deparei com muitos desafios e barreiras diferentes, desde a minha infância até tentar encontrar um emprego. Acho que muitas pessoas neurodivergentes lutam para se encaixar no molde na escola. Então, imediatamente você está lidando com bullying, problemas de saúde e ansiedade. E também, às vezes, professores interpretam mal seu comportamento como sendo impertinente ou, talvez, tentando ser diferente.

Na verdade, foi apenas com a ajuda de uma instituição de caridade chamada Ambitious about Autism - que me deu muito treinamento, me ajudou a descobrir quais ajustes eu poderia precisar e me ajudou a aproveitar ao máximo minha capacidade - que consegui me matricular no programa de estágio da m/SIX projetado para defender ativamente a neurodiversidade. Precisava dessa ajuda para entrar no mercado de trabalho. Eu não poderia ter feito tudo sozinho, mesmo que estivesse dando o meu melhor para fazê-lo.

Como parte de nosso estágio, promovemos uma série de conversas com a instituição de caridade Ambition for Autism, o CEO da m/SIX na época, e nosso Chefe de Pessoal. Foi incrível a quantidade de pessoas que se apresentou depois com diagnósticos de dislexia sobre os quais não queriam falar e para os quais não tinham ajustes. Pessoas com problemas de saúde mental também. Realmente ajudou essa segurança psicológica que você precisa em sua cultura para trazer todo o seu eu para o trabalho. Essas entrevistas estão no canal de YouTube da GroupM Worldwide. Há também outro projeto de entrevista que fizemos para o Autism Awareness Day (Dia Mundial de Sensibilização para o Autismo), entrevistando pessoas fora da GroupM em diferentes empresas e em diferentes pontos de suas carreiras sobre algumas coisas com as quais elas lutam, como elas passaram por essas coisas e o que os colegas devem fazer se tiverem um colega de trabalho autista.

Essas duas séries de vídeo têm sido super impactantes. Elas vêm sendo compartilhadas por muitas instituições de caridade on-line e têm sido usadas pela Ambitious em treinamento sobre autismo para outras empresas. Há uma sensação de constrangimento em torno da deficiência e as pessoas não sabem bem o que dizer. Faz uma grande diferença conseguir assistir a um vídeo fazendo todas essas perguntas com as quais você estava um pouco preocupado.

Christine Benton, Vice-Presidente Executiva e Patrocinadora Executiva do Grupo de Recursos para Funcionários Capazes, BCW América do Norte: Isso é incrível. Acho que é muito importante ter essas conversas, e muitas pessoas não estão cientes de que têm uma doença ou que ela não foi diagnosticada. Eu não sabia que estava deprimida, apenas senti que era diferente das outras pessoas. E assim, minha resposta a isso foi tentar me encaixar e me tornar o mais útil em todos os sentidos, formas e modos possíveis. Essa não é necessariamente uma ótima estratégia de carreira, eu realmente incentivo as pessoas a serem o mais objetivas possível sobre seus pontos fortes e fracos e a se desenvolverem na área onde naturalmente são mais talentosas.

AW: Combinado. Eu acho que mais pessoas estão trazendo seu eu pleno para o trabalho como resultado da COVID-19, apenas porque seu eu pleno está na tela e colidindo com sua vida profissional em todos os momentos. Tem sido incrível ter essa vulnerabilidade. Conheci muitos dos meus colegas de quem me senti muito amiga, mas tenho que conhecê-los em um nível muito mais pessoal. Isso só ajudou a nossa comunicação, e ajudou nosso sentimento de conexão no trabalho. É tão bizarro que, de certa forma, eu me senti mais conectada durante esse período – sem poder ver as pessoas - porque todos nós tivemos compaixão uns pelos outros o tempo todo e falamos sobre a dificuldade que estamos passando.

Depois que você toma consciência de que tem alguma coisa, sai da fase de negação e pode se assumir, tornando-se alguém muito mais fundamentado, baseado na realidade, objetivo e disposto a fazer o que for preciso para estar na sua melhor versão.

CB: Concordo e espero que o fato de termos entrado em confinamento e nos tornado mais íntimos, e de termos trazido todo o nosso eu ao trabalho, torne as pessoas mais capazes de abraçar um pouco a sua humanidade.

Trabalhei em casa por uma década, mas como você achou isso?

AW: Bem, antes de entramos nessa vida de "trabalhar em casa o tempo todo", dependia de um aplicativo chamado Otter, que é uma ferramenta de transcrição em tempo real. E particularmente em reuniões, acho que não há muito tempo de processamento. Então, é muito útil conseguir reler o que foi dito alguns minutos atrás e continuar no ponto onde estávamos, bem como se eu perder alguma coisa por ter ouvido errado, especialmente se não puder ver o interlocutor. Agora essa ferramenta está no Microsoft Teams, então durante nossas reuniões eu posso ativar a transcrição, o que é bastante útil quando você tem nove pessoas em uma tela bem pequena e o áudio não é lá essas coisas.

Além disso, o fato de conseguir gravar essas reuniões e ler a transcrição em sequência significa que às vezes não preciso participar de uma reunião, mas posso acessá-la e descobrir o que perdi. Eu acho que isso é realmente uma coisa enorme para a inclusão se você não puder estar sempre presente.

Tive tanta sorte na GroupM; que já temos uma equipe de talentos neurodivergente. Temos pessoas com dislexia e TDAH, então eu já tinha esse nível de conhecimento e compreensão quando cheguei lá. Mas o que eu realmente notei é que há uma coisa de ying e yang com estilos cognitivos e habilidades. Eu trabalho muito, muito bem com alguém que seja disléxico e consiga realmente ver o panorama geral. Eu sou uma pessoa orientada para os detalhes – posso interceder e corrigir alguns desses pequenos problemas ou pensar em alguns dos riscos – enquanto eles estão pensando no céu azul. Isso definitivamente ajuda na coesão da equipe e a simplesmente entrar em um estado de fluxo conjunto – com pessoas vindo de perspectivas diferentes.

Obviamente, você vai obter algumas variações e diferenças também, vai discuti-las e chegar a uma conclusão que cobre todos os pontos. Não sei se isso necessariamente acontece quando todos rezam o mesmo credo.

Eu sei que ter apenas algumas pessoas autistas no escritório m/SIX foi transformador para sua cultura e para criar aquela segurança psicológica que foi desenvolvida ali. Essa segurança significa que você pode trazer seu eu completo para o trabalho.

CB: Com certeza. Qualquer pessoa com deficiência - na minha experiência pessoal com doença mental – o que me custou para desbravar o caminho de volta das profundezas da depressão. É um processo. E é preciso muita força.

As habilidades e o caráter que eu precisava para voltar da depressão são uma força interior que eu nunca perdi. Isso é algo que se aplica a qualquer pessoa com deficiência. Depois que você toma consciência de que tem alguma coisa, sai da fase de negação e pode se assumir, tornando-se alguém muito mais fundamentado, baseado na realidade, objetivo e disposto a fazer o que for preciso para estar na sua melhor versão. Acho que isso [faz de você] uma pessoa mais forte. Você se torna mais autorreflexivo, autoconsciente, mais responsável por quem você é e como se mostra para as pessoas. Esse é o meu ponto de vista muito forte sobre isso, mas acho que fortalece a força de trabalho de uma forma que nem imaginamos.

AW: Eu estava pensando na WPP como uma empresa de transformação criativa e o que isso significa para mim com um guarda-chuva de diversidade e inclusão. Para mim, significa olhar para o futuro e garantir que não estamos cometendo os mesmos erros e dando os mesmos passos em falso do passado. Isso inclui tornar nossa força de trabalho o mais diversificada e representativa possível, como não foi no passado.

Eu sei que ter apenas algumas pessoas autistas no escritório m/SIX foi transformador para sua cultura e para criar aquela segurança psicológica que foi desenvolvida ali. Essa segurança significa que você pode trazer seu eu completo para o trabalho e aceitar pessoas mais diversas. Precisamos nos ajustar a elas e nos certificar de que possam prosperar. Precisamos ter certeza de que elas têm patrocínio e orientação. Então, auferimos o benefício dessa diversidade, dessas grandes ideias e desse atrito criativo do qual falei antes. Isso é o que eu quero que a transformação criativa signifique para a WPP, e acho que estamos nesse caminho agora.

Read more from our Inclusion Champions in conversation series

published on

30 September 2020

Related Topics

Inclusion & diversity Workplaces
Close message

Privacy Policy

We have updated our Privacy Notice for this website. Please review our Privacy Policy.

Go to Privacy Policy